segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Retrospectiva 2016 - Freedom

Bom dia, pessoal!

São 01:10am e eu começo a escrever a retrospectiva desse ano! Eu não estou com o mínimo sono... então preparem-se para um textão... bom, na verdade, acho que vou fazer aquela retrospectiva mês a mês, acho melhor! Legal, né??? Então bora lá!

Pronto! Coloquei a playlist do dia dos namorados do Palmeiras lá no Spotify! Vamos ver se consigo lembrar alguma coisa, hahaha!

JANEIRO: As viradas de ano são sempre tristes para mim... Na verdade, eu lembro de ter comemorado mesmo umas duas vezes na vida... Sei que tenho que mudar isso, quem sabe esse ano? Eu estou achando que essa virada vai ser diferente... fingers crossed! Não me lembro muito dos acontecimentos de janeiro de 2016, mas acredito que não havia nada tão diferente, a não ser que estava bastante infeliz com a vida que estava vivendo... e estava procurando alguma solução para a minha vida, porém, até então, apenas em pensamento.

FEVEREIRO: Gente... eu não lembro nada desse mês... bom, não fiz nada no carnaval, apesar de querer ter feito muita coisa... não lembro porque não fiz nada... Eu só lembro de estar triste com a minha vida, só isso.

MARÇO: Aqui tudo começou a mudar. Finalmente eu encontrei uma esperança para mudar a minha vida! Meu irmão estava lidando com um problema de saúde grave e eu estava triste com isso e com a forma que eu estava vivendo e eu achava que a meditação poderia me ajudar a enxergar a vida com outros olhos! Nessa época eu encontrei o site do Centro de Estudos Budistas Bodisatva de Brasília e vi que ia rolar um retiro de meditação lá na Chapada dos Veadeiros-GO em Abril e então eu me inscrevi e aguardava ansiosamente para conhecer o Budismo.

ABRIL: Sabe quando você toma a decisão que muda a sua vida para sempre? A minha foi essa: conhecer o Budismo. O Budismo mudou a minha vida. Eu fiz então o primeiro retiro no feriado da semana santa e aprendi a meditar. A experiência foi transformadora, eu finalmente descobria o que significava "aquietar a mente". Eu tive aquela sensação de "pertença" a alguma coisa, eu sentia como se me conectasse com algo que eu já conhecia internamente, era como se eu estivesse apenas relembrando tudo, os mantras, tudo, tudo! Eu saí desse encontro com outra visão de mundo. Nesse mesmo mês aconteceu lá na Chapada outro retiro, dessa vez no feriado de Tiradentes, com o Lama Padma Santem. Se o primeiro retiro havia me transformado, esse me trouxe a paz de espírito que eu tanto buscava. Eu não consigo explicar em palavras o que aconteceu, mas eu voltei para casa com uma paz no coração, com o corpo todo relaxado, parecia que eu havia finalmente aprendido a separar a mente da realidade, tipo, aprendi o que importava pra mim, o que me atrapalhava dentro dos meus próprios pensamentos, como eles influenciavam na minha vida, enfim, várias coisas... Nesse encontro alguém falou sobre trabalho, sobre aquela sensação de impotência, de ser obrigado a ficar em um lugar que a gente não gosta apenas pelo salário, de ficar preso lá por isso, de não sentir orgulho do que se faz, ou seja, tudo que eu sentia... hahaha! E eu lembro que o Lama falou o seguinte: Das duas uma: ou você permanece nesse local e o utiliza como aprendizado, inclusive, ajudando outras pessoas a verem a vida de forma diferente ou se você sentir que você não pode fazer mais por ninguém lá e que você poderia contribuir muito mais em outro lugar, então talvez esse não seja mais o lugar para você. Isso ficou na minha cabeça.

No final desse mês, dia 30 eu acho, eu reencontrei meu primeiro grande amor! Tipo, juro pra vocês gente, eu estava na lanchonete da Universidade e ele simplesmente estava parado ali com um copo de açaí na mão. Essa experiência foi tão marcante porque eu e ele temos uma conexão especial, não me pergunte, só sei que é diferente de tudo que eu já senti por alguém. E o mais engraçado é que no começo do ano eu havia feito uma pesquisa no google com o nome dele, hahahaha! A gente não se falava havia vários anos e eu lembro que paramos de nos falar brigados... mas naquele momento, ninguém lembrou disso não, hahaha! 

Ele me contou que em 2015 tinha visto uma reportagem no jornal de uma mulher muito parecida comigo e que tinha o mesmo sobrenome. Ele descobriu o telefone da mulher, ligou para ela e perguntou se ela era minha irmã... Ou seja, ele também estava procurando saber de mim. 

Não dá para contar a história toda, mas eu acredito que o Budismo e o fato de eu ter me conectado comigo mesma fez esse encontro acontecer no momento em que aconteceu. Eu estava miserável no meu trabalho, entristecida com a situação do meu irmão, super hiper gorda, com a auto-estima lá embaixo e ele me levantou. Ele foi meu alicerce, tudo que eu precisava para reagir. 

MAIO: Após sofrer durante anos de assédio moral, de ter que engolir sapo alheio, de lutar contra o sistema, de perder as esperanças nas pessoas, de sofrer uma pressão sufocante, um belo dia, após saber que estavam "tramando" a minha mudança de setor nas minhas costas, eu me emputeci e resolvi pedir demissão. Saí sentindo que eu não tinha mais opção, eu estava me matando lá. E detalhe, saí de uma seleção pública, saí de um salário relativamente bom, saí após 8 anos de trabalho... mas saí destroçada, acabada... No dia que resolvi pedir demissão, saí e disse que não ia voltar! Nesse dia, meu crachá quebrou no vestiário. Quando eu saí de lá fui para a Universidade porque não tinha coragem de contar para a minha mãe  que eu ia pedir demissão, afinal, eu não tinha outro emprego para ir, não ia ter acesso ao meu FGTS, não ia ter seguro desemprego... Quando cheguei na Universidade meu mala arrebentou (é tipo um terço, só que budista). Para mim, tudo isso tem um significado. Inclusive, vocês não vão acreditar e não foi proposital, mas no dia seguinte, que era o dia em que eu ia pedir a minha demissão oficialmente, fez exatamente 8 anos que eu havia sido convocada. Foi muita coincidência!!! Eu não me arrependo a forma como saí, não me arrependo de ter saído. Eu acho que foi a melhor coisa eu já fiz por mim.

JUNHO: Um mês se passou desde que eu havia pedido demissão do meu trabalho e eu ainda tinha pesadelos. Eu sonhava que queria pedir demissão e não podia porque a pessoa do RH estava de férias por 30 dias e eu tinha que esperar. Eu sonhei isso várias vezes... Eu acordava com o coração batendo forte, aflita, achando que tinha que sair para trabalhar... Eu estava sofrendo de transtorno de estresse pós-traumático!!!!!!! Demorei muito tempo para conseguir me desvincular de tudo.

JULHO: Eu comecei a advogar e a sentir como essa profissão é gostosa e gratificante! Eu amo a advocacia! Eu adoro tudo que eu faço, literalmente, tudo. Eu entrei na academia e estava começando a cuidar mais de mim. Infelizmente eu tive que cancelar um mochilão que ia fazer porque meu irmão precisou ser operado, graças a Deus deu tudo certo pra ele. Fui a outro retiro budista na Chapada, mas confesso que esse foi meio estranho, acho que porque eu estava muito aflita e não consegui me conectar com nada... sei lá.. 

AGOSTO: Permaneci firme e forte nos exercícios da academia e as mudanças no meu corpo começaram a acontecer! Acho que até então eu não tinha emagrecido nada, mas tinha transformado muita gordura em massa magra. 

SETEMBRO: Gente, eu só me lembro de estudar, estudar e mais nada.

OUTUBRO: Acho que as ocupações nas Universidades públicas começaram por aqui, não foi? Esse foi um semestre super incomum. Participei de várias aulas públicas e etc. Foi um movimento bastante interessante, porém, f..... a vida acadêmica de geral...

NOVEMBRO: Provas, provas e provas!

DEZEMBRO: Ainda provas!!! Mas agora posso dizer mais coisas. Um resumão sobre o ano. Meu irmão permanece em tratamento, mas está bem e eu acredito que ele vai ficar curado! Esse ano foi um ano muito difícil na Universidade e tive que enfrentar várias barras acadêmicas, o melhor de tudo é olhar para trás e ver que superei todas as dificuldades. 

Ao longo de tudo que me aconteceu este ano eu tive o apoio dos meus amigos, nunca fiquei sozinha, em momento algum. Alguns amigos também precisaram de mim e graças a Deus posso dizer que estive lá. EU NÃO FIQUEI DOENTE ESSE ANO!!!!! Tipo, eu cheguei a ter vasculite em julho, mas eu consegui controlar com pomada e azatioprina, sumiu rapidinho! 

Gente, outra coisa.. eu não ia contar, mas eu acho que todo mundo precisa de incentivo na vida... então lá vai: semana passada, sim, tem uns 3 ou 4 dias, conheci uma pessoa EXTRAORDINÁRIA! Sabe aquela cena de filme? Sabe quando você não está esperando nada? Principalmente porque eu estou há mais de 1 ano solteira, não esperava nada mesmo... mas aconteceu. Se vai durar? Virar algo mais? Na boa? Não sei e não me importo. Eu aprendi a viver o momento, viver o presente. Curtir intensamente o agora! Mas queria compartilhar com vocês, porque às vezes a gente acha que nada mais vai nos surpreender, que "antes sozinha do que mal acompanhada", que tá pra nascer alguém que nos entenda, ou que nos aceite... enfim... uma coisa é certa A VIDA SEMPRE NOS SURPREENDE.

Que 2017 seja mais surpreendente! 

É isso pessoal, já são 02:30am!!! Beijo para quem é de beijo e abraço para quem é de abraço! Até ano que vem!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário